top of page

Rubya WINEGUIDE: como escolher os vinhos no mercado

Quero fazer com que você se sinta confiante na hora de apreciar o vinho em um jantar ou escolher para dar de presente. E não precisa de certificado de nada para isso.


O objetivo desse post é compartilhar meu conhecimento e minha experiência de aprendizado sobre vinhos. Quero mostrar para você que esse assunto não é só para "quem tem dinheiro" ou para quem é mais experiente e viajado no mundo. Aqui vou escrever tudo de forma simplificada, concentrando as informações no que realmente importa para nós.

Mas também não vou deixar de mencionar alguns termos técnicos e/ou ""protocolos"" de serviço, degustação e harmonização.


Estamos falando de um assunto riquíssimo em cultura e tradição, com anos de estudos científicos, dedicação e paixão… Algo que fez parte da história humana desde 3.000 A.C.!!

(3 mil anos Antes de Cristo quando os egípcios começaram a registrar nos hieróglifos, né.. Mas as videiras [plantas que dão as uvas] se originaram muito tempo antes, tipo há 150 milhões de anos). Afinal, conhecimento nunca é demais. E vamos combinar………….. É um dos MELHORES assuntos para se falar! Para aprender, para ler, para degustar e compartilhar com quem a gente ama! (Sem contar a parte das viagens, né. Já fez uma Enotrip? É apaixonante!)

Escolhendo o melhor vinho MERCADO x ADEGA 1- A primeira coisa que você deve se perguntar: "Qual é a ocasião?" A) Seria algo mais casual, mais dia-a-dia? Não quer investir tanto? É mais fácil ir no mercado do que em uma importadora especializada? Vai comprar o vinho para um Happy Hour onde os convidados só vão beber? Vai levar em um jantar onde os convidados não conhecem ou não apreciam tanto? Quer um vinho bacaninha para experimentar coisas novas? Dá para comprar no supermercado, mesmo.

Lá você encontra variedade com preços diversos e super OK. O acesso é fácil e os rótulos são mais genéricos/linha de frente das vinícolas. --

B) Seria uma ocasião mais específica? Vai comprar o vinho para um date? É um Champagne de uma vinícola boutique que você está procurando? Gostaria de algo exclusivo? Vai presentear alguém especial com um vinho bacana? Então eu sugiro procurar em grandes adegas e importadoras especializadas, onde você pode encontrar rótulos singulares e exclusivos, + qualidade dos vinhos, vinícolas boutiques e o atendimento também é mais elaborado!

2- Escolher vinhos pela região: Os vinhos normalmente são organizados por países nas gôndolas (tanto do mercado, quanto da adega). Então já dá para organizar a cabeça e ir direto ao ponto. Você pode escolher vinhos do "VELHO MUNDO" (a grosso modo, os vinhos da Europa). Ou, escolher os vinhos do "NOVO MUNDO" (vinhos do resto do mundo).

3- Escolher vinhos por estilo: Dentro da categoria de "países", eles ainda podem estar organizados por estilo: - Espumantes (todos aqueles que têm borbulhas! Champagne, Cava, Prosecco etc); - Tranquilos secos (os que não têm borbulhas, brancos, rosés e tintos); - Tranquilos de sobremesa (os vinhos doces, fortificados, passitos, etc).

4- Se você está procurando vinho para harmonizar com alguma comida especial, filtre pelo estilo. Você pode se basear no PESO da comida x PESO do vinho. Os vinhos brancos são mais leves que os vinhos tintos, certo? Uma saladinha com um filé de peixinho é mais leve que um churrasco, entende? Em geral, os BRANCOS casam super bem com canapés, saladas, queijos, embutidos, produções com gema, peixes e frutos do mar, antipasti, pimentas, tapas, comida japonesa, carne branca, vegetais (cozidos, salteados e fritos), embutidos de aves etc. ROSES: alguns pratos leves, carne branca, carninha de porco, pizza, molhos leves com tomate, feijoada, queijos não tão curados, alguns embutidos, hambúrguer vegetariano etc. TINTOS: produções mais pesadas com carne bovina, suína, de cordeiro, caça, ragu, pizza, produções assadas, defumadas etc. DE SOBREMESA: com sobremesa, queijos, algumas carnes como foie gras, por exemplo. 5- Saiba ler os rótulos: Existem algumas informações nos rótulos que podem ser cruciais para a escolha do vinho.

Os rótulos do Velho Mundo tendem a ser mais "clássicos", com o nome do vinho, nome e brasão da família do produtor, safra, nome da região onde foi engarrafado, nome do vinhedo, uva e indicativo de qualidade (AOC, DOCG, DOP e afins). Cada país tem o sua legislação de qualidade específica. Elas são todas regulamentadas pela União Europeia e significa basicamente que a região onde as uvas foram plantadas e os vinhos produzidos são controladas para garantirem um nível de altíssima qualidade. A tradução para esse acrônimo é Denominação de Origem Protegida/Controlada/Garantida.

Já os rótulos do Novo Mundo já são mais moderninhos, não possuem taaantos detalhes assim, mas também é fácil de escolher. Eles possuem o necessário: nome do produtor, uva, nome do vinho, região e safra. Muitas vezes essas informações estão no contra-rótulo.

Inclusive, esse vinho é o melhor da Guaspari.

6- Algumas dicas: - Evite garrafas perto de muita luz (tipo as que estão perto da vitrine) e/ou garrafas que estão perto de fontes de calor (tipo se estiverem perto do motorzinho de uma adega haha). - Para alguns brancos do novo mundo e rosés, prefira as garrafas de safras mais recentes.

Principalmente os Rosés. No máximo 2 anos de idade. - Para os tintos, prefira safras um pouquinho mais velhas (com idade de uns 4-5 anos para +).

A não ser que sejam os franceses de Beaujolais, que devem ser bebidos novos. Ah, alguns blends* não possuem safras! *blends ou vinhos de corte: vinhos feitos com mais de uma uva (ou mesma uva e diferentes safras). O vinho feito com apenas uma uva é chamado de varietal. - Cuidado com o termo "vinho suave" para rótulos brasileiros/do Novo Mundo. Não quer dizer que ele será mais suave em boca. Quer dizer que ele foi feito com uvas não viníferas (aquelas Isabel, Bordô, Niágara etc). Essas uvas não produzem vinhos de qualidade. 7- Se o vinho estiver com uma promoção especial, duvide ou questione a razão. Às vezes é porque o vinho está em condições ruins, cozido ou já muito velho (no caso dos rosés, brancos e tintos econômicos).


8- Você pode checar a avaliação do vinho online. Existem vários sites e apps para isso. Mas lembre-se de que você precisa saber quem avaliou o vinho.

Foi um profissional da área ou qualquer pessoa que comprou o vinho e quis opinar? (Acho muito bacana esses apps de opiniões sobre vinhos! Pode ajudar na hora da escolha. MAS... eu tomaria cuidado. VAI QUE a pessoa teve um dia ruim e descontou no app?! OU se ela é amiga do cara que vende o vinho? Vai fazer a maior propaganda, né)... Outra alternativa é que você pode buscar pela FICHA TÉCNICA do vinho (normalmente disponível no site do produtor ou da importadora). A ficha técnica discrimina todo o processo no qual o vinho foi produzido, as uvas, tempo de barrica, safra, condições do terroir, os aromas comuns e até uma sugestão de harmonização. E são informações técnicas e sugestivas do produtor.

9- Fique de olho no preço do vinho. A maioria dos vinhos são caros por causa da demanda do mercado, da ambição do produtor e do marketing. E/ou têm muito imposto aplicado no vinho… (Aqui no Brasil nem se fala, já viu a % de imposto discriminada no final da nota fiscal? Repare. Vai ser uma fisgada no estômago). Overpriced: vinhos "ícones" de bodegas (especialmente de safra recente) e alguns Champagnes, por exemplo… Portanto, vinho caro não é indicativo de qualidade, ok?

10- Depois de todas essas informações, trago a pergunta que vai economizar muito tempo para você: "Vou escolher o vinho sozinho?"

Se a resposta for NÃO, peça ajuda ao sommelier. Não vai ter erro.


Diga a ele o que você gosta, diga o budget, a ocasião, se é presente, o que você vai comer, etc. Quanto mais detalhes do evento você der ao sommelier, melhor ele poderá filtrar a carta de vinhos para sugerir a opção que mais encaixa. -- O mesmo vale para escolher os vinhos no restaurante. A maioria dos restaurantes disponibiliza a carta de vinhos no site e você pode dar uma olhadinha antes e já ir preparado hehe. OU, peça a sugestão do Sommelier. Ele com certeza saberá (ou deveria saber) o que você pode tomar para acompanhar a refeição.

Uma verdade que ninguém fala é que "seguir seu feeling" na hora de comprar o vinho também conta. Por exemplo, existem situações quando eu mesma não vou com a cara do rótulo.

Ou não gostei da fonte, ou não gostei da identidade visual, não gostei das cores… Na minha cabeça o vinho já nem vai ser tão bom (o que pode me surpreender lá na frente haha).


Ou pelo contrário, às vezes eu compro vinho exatamente porque o rótulo é lindo e me chamou atenção (ué, quem nunca?!). Esse vinho pode nem ser tão bom, mas eu já vou experimentar com outros olhos e com mais carinho.


Percebe que nossas emoções estão totalmente envolvidas quando o assunto é vinho/comida? São essas emoções que dão brilho à enogastronomia! Tantas tradições familiares envolvidas e a paixão entre os produtores de vinhos; Nossos puros sentimentos de expectativa e carinho na hora de escolher o melhor vinho para acompanhar um jantar especial com quem a gente ama; O sentimento de levar uma edição rara de um rótulo para surpreender e dividir com os amigos! São sentimentos que nos deixam com borbulhas de felicidade no peito, e isso é viciante!!! -- Espero que você tenha gostado deste post. E que tenha ajudado. Foi muito gostoso escrever cada palavra por aqui (acompanhada de um Beaujolais nouveau 2020, para ser exata)!

Um beijo e até o próximo post. Tin-tin!



Comments


bottom of page